página inicial   |    quem somos   |    como pesquisar   |    anuncie   |    fale conosco
     Agenda:      Feiras    /    Cursos Presenciais    /    Eventos                                                                                     Receba o Viaseg News
PESQUISA RÁPIDA:
produto ou serviço:


Segurança de Xuxa vai a Justiça


07/11/02

A apresentadora Xuxa está sofrendo um processo trabalhista movido por um ex-segurança. Segundo notícia no site do Tribunal Superior do Trabalho, que não divulgou o nome dele, a Primeira Turma TST anulou acórdão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) do Rio de Janeiro e determinou o retorno de processo movido por um segurança contra a apresentadora Xuxa Meneguel e duas empresas de sua propriedade, a Beijinho Beijinho Promoções Artísticas e Xuxa Promoções Produções Artísticas, para nova apreciação pelo Tribunal estadual. Após análise do recurso movido pelas reclamadas, o relator, juiz convocado Georgenor Franco, entendeu que o Tribunal carioca violou a Constituição ao deixar de se manifestar quanto a fatos considerados indispensáveis para o curso do processo. O ex-funcionário afirmou que começou a trabalhar como segurança pessoal da apresentadora em 1º de agosto de 1988, mas que só teve a carteira de trabalho anotada a partir janeiro de 1989. Ele disse que trabalhava nas residências, locais de trabalho, de shows e onde quer que Xuxa se encontrasse e que também fazia a segurança das "paquitas", "paquitos" e de convidados da apresentadora. Embora sua jornada de trabalho oficial fosse das 9h às 18h (incluindo fins de semana e feriados), o segurança afirmou que ficava 24 horas à disposição de Xuxa. O ex-segurança alegou que acompanhava a apresentadora como guarda-costas em excursões e turnês por todo o País e a compromissos por ela agendados no exterior, sem, no entanto, jamais ter sido remunerado pelos serviços extraordinários. Depois de passar 30 dias em Nova York (EUA), por ocasião de problemas de saúde da apresentadora, o guarda-costas contou que se encaminhou para o sítio da apresentadora logo que retornou ao Brasil. Lá ficou por mais 15 dias cuidando da segurança de Xuxa, sem poder retornar para casa. Ao se recusar a viajar novamente para os EUA no lugar de um colega, durante seu período de folga, o reclamante foi demitido - em 22 de fevereiro de 1994. Em novembro de 1994, reivindicou na Justiça o pagamento de diferenças salariais, horas extras, direitos como adicional noturno e integração de valores recebidos "por fora" dos contracheques em viagens ao exterior. Em sua contestação, as empresas negaram as declarações do segurança de que estava sempre à disposição da apresentadora. Afirmaram que possuíam um quadro de seguranças que se revezavam e que o guarda-costas não era empregado direto de Xuxa e sim das empresas das quais a apresentadora era sócia majoritária, não devendo o seu nome estar envolvido no pólo passivo. Afirmaram que o salário do reclamante era pago ora por uma empresa, ora por outra, e que era delas que o segurança recebia ordens, conforme documentos inseridos nos autos e assinados pela sócia-gerente das empresas, Marlene Mattos dos Santos. O TRT carioca julgou os recursos à época interpostos tanto pela reclamante quanto pelas empresas da apresentadora. Deu provimento parcial ao recurso do segurança para acrescer à condenação o pagamento de adicional previsto em norma coletiva e determinar a integração de ajuda-alimentação. De outro lado, deu provimento ao recurso das empresas para, entre outras coisas, limitar a condenação ao pagamento de horas extras e manter o nome de Xuxa na relação processual. O TST examinou o recurso por violação aos artigos 93, IX, da Constituição, e 832 da CLT, entendendo que é dever do órgão jurisdicional (no caso o TRT) posicionar-se explicitamente sobre aspectos fáticos relevantes da demanda. Determinou o retorno dos autos para que o Tribunal carioca se manifeste expressamente quanto à fixação do número de viagens feitas pelo reclamante, valor arbitrado ao adicional de viagem (pago "por fora") e o momento em que foi postulado no processo o adicional de 100% sobre horas extras em fins de semana e feriados. A apresentadora conseguiu reverter no TST a condenação ao pagamento de multa prevista no artigo 538 do Código de Processo Civil. O dispositivo prevê o pagamento de multa para o embargante quando este manifesta embargo com fim meramente


Fonte: Terra


Envie essa notícia para um Amigo


Seu Nome:

Seu E-mail:

Nome do Amigo:

E-mail do Amigo:

Mensagem:




Pesquisar Cursos













     Agenda:      Feiras    /    Cursos Presenciais    /    Eventos                                                                                     Receba o Viaseg News


Área do Anunciante                     Maquinas Industriais   /   Br Domínio Hospedagem de Sites   /