página inicial   |    quem somos   |    como pesquisar   |    anuncie   |    fale conosco
     Agenda:      Feiras    /    Cursos Presenciais    /    Eventos                                                                                     Receba o Viaseg News
PESQUISA RÁPIDA:
produto ou serviço:


Artigo: Atualização sobre Benzeno - Por José Knoplich


25/09/02

Ação do benzeno nos escriturários A intoxicação pelo benzeno ou benzenismo é o conjunto de manifestações clínicas /ou sinais laboratoriais compatíveis com os efeitos da exposição ao benzeno em trabalhadores de empresas que o produzem, transformam, distribuam, manuseiem ou consumam.
C.R. Miranda e colaboradores (1) fizeram um estudo de prevalência, realizado a partir de dados hematimétricos referentes a 7.356 trabalhadores de nove empresas do Complexo Petroquímico de Camaçari, Bahia. Do total de trabalhadores avaliados, 216 deles (2,9%) apresentaram valores leucocitários abaixo de 4.000 e/ou número de neutrófilos abaixo de 2.000. Para estes últimos, caracterizou-se evidente exposição ocupacional ao benzeno, sendo que todos foram afastados da exposição e encaminhados para investigação hematológica mais aprofundada. O presente estudo permitiu evidenciar o valor do método de vigilância epidemiológica na inspeção trabalhista dos ambientes de trabalho.

P.Carrer e colaboradores, do Departamento de Saúde Ocupacional, Istituti Clinici di Perfezionamento, de Milão, Itália(2) estudaram a exposição de 100 trabalhadores de escritório ao total de compostos orgânicos voláteis (benzeno e tolueno), durante o trabalho, no ambiente da cidade e na residência. [Em inglês -total volatile organic compounds (TVOCs)]. Os autores fizeram um monitoramento biológico, através da medida da concentração de benzeno e tolueno, no sangue, junto com a dosagem urinária do ácido trans-trans-mucônico (t,t-MA em inglês) e de cotinina, ao final do período do monitoramento.
A média geométrica do total de 24-h de exposição aos TVOCs foi de 514 microgramas/m3, 21.2 microgramas/m3 para o benzeno e 35.2 microgramas/m3 para o tolueno. A exposição diária aos compostos orgânicos voláteis (benzeno e tolueno) foi maior no ambiente de trabalho e na residência e menor no transporte e no ambiente, ao ar livre. O fator mais importante no aumento da exposição a esses compostos voláteis, principalmente ao benzeno foi a fumaça do cigarro, tanto para fumantes ativos como passivos.
Todos os indicadores biológicos eram mais altos nos fumantes do que nos fumantes passivos e nos não fumantes. A intoxicação humana pelo benzeno pode ocorrer por três vias de absorção: respiratória (aspiração por vapores), cutânea e digestiva. A via respiratória é a principal, do ponto de vista toxicológico, sendo retido 46% do benzeno inalado. Uma vez absorvido, quase imediatamente é eliminado, em 50%, pelos pulmões. O benzeno que permanece no corpo, distribui-se por vários tecidos. Na intoxicação aguda, a maior parte é retida no sistema nervoso central, enquanto que na intoxicação crônica permanece na medula óssea (40%), no fígado (43%) e nos tecidos gordurosos (10%). Após sua absorção, parte do benzeno distribuído pelo organismo é metabolizado pelos microssomas do fígado e cerca de 30% é transformado em fenol e em derivados como pirocatecol, hidroquinona e hidroxiquinona, os quais são eliminados pela urina nas primeiras horas até 24 horas após cessada a exposição.

A exposição prolongada ao benzeno provoca diversos efeitos no organismo humano, destacando-se entre eles, a mielotoxidade, a genotoxidade e a sua ação carcinogênica. São conhecidos, ainda, efeitos sobre diversos órgãos como sistema nervoso central, e os sistemas endócrino e imunológico. No entanto, não existem sinais ou sintomas típicos da intoxicação crônica pelo benzeno. O efeito mais grave do benzeno sobre a medula óssea é a sua depressão generalizada que se manifesta como redução de eritrócitos, granulócitos, trombócitos, linfócitos e monócitos. A neutropenia e a leucopenia têm sido os sinais de efeito observados com mais freqüência entre os trabalhadores expostos ao benzeno.
É importante assinalar, ainda, que há relação causal, comprovada, entre a exposição ao benzeno e a ocorrência de leucemia, especialmente a leucemia mielóide aguda e suas variações, entre elas a eritroleucemia e a leucemia mielomonocítica.

Takahashi e colaboradores, do Institute of Molecular and Cellular Biosciences, da Universidade de Tokyo, confirmaram que os derivados azo ou azoxi-benzeno têm atividades anti-androgênicas inibindo o crescimento da linhagem de células andrógeno-dependentes e ligando-se ao núcleo dos receptores de andrógenos.(3)

Referências Bibliográficas

(1) Miranda C.R, DiasC.R, Oliveira L.C.C. Pena P.G.L – Exposição ocupacional ao benzeno em trabalhadores do complexo petroquímico de Camaçari, Bahia .Re v.Bras, Saúde Ocupacional dez 1997:24, (89/90): 87-91,

(2) Carrer P, Maroni M, Alcini D, Cavallo D, Fustinoni S, Lovato L, Visigalli F Assessment through environmental and biological measurements of total daily exposure to volatile organic compounds of office workers in Milan, Italy. Indoor Air Dez 2000 ;10(4):258-68

(3) Takahashi H, Ishioka T, Koiso Y, Sodeoka M, Hashimoto Y-Anti-androgenic activity of substituted azo- and azoxy-benzene derivatives. Biol Pharm Bull Nov 2000 ;23(11):1387-90

Jose Knoplich é doutor em Saúde Publica pela USP, editor médico da Intramed e da Viaseg. Colaborador do tratado de Medicina do Trabalho do prof. René Mendes. Autor do livro Enfermidades da coluna Vertebral, que é referência nas perícias da coluna e de LER/Dort no INSS

Clique aqui para visitar o site da INTRAMED


Fonte: Intramed


Envie essa notícia para um Amigo


Seu Nome:

Seu E-mail:

Nome do Amigo:

E-mail do Amigo:

Mensagem:




Pesquisar Cursos













     Agenda:      Feiras    /    Cursos Presenciais    /    Eventos                                                                                     Receba o Viaseg News


Área do Anunciante                     Maquinas Industriais   /   Br Domínio Hospedagem de Sites   /